Mostrar Categorias

O que devo aprender no teclado?

Wilson Esteves
Wilson Esteves

Quando nos aproximamos de um novo instrumento musical, surgem muitas dúvidas em nossa mente: "onde estão as notas musicais?", “como faço para tocar?”... ou ainda “como posicionar as mãos para tocar?”. Dúvidas assim são naturais, fruto da estranheza que temos ao nos depararmos com algo novo. Com o teclado, claro, não é diferente. Aqui, vamos esclarecer os primeiros elementos que são necessários compreender ao iniciar os estudos no teclado. Vamos nessa?

Como começar a tocar teclado?

Quando vamos começar a tocar teclado, a primeira coisa a ser feita é o mapeamento: quais são e onde estão as notas musicais? No momento do primeiro olhar pode parecer um tanto enigmático, mas acredite, é simples: cada uma das teclas brancas corresponde a uma das notas musicais. Elas vão estar dispostas do grave para o agudo, da esquerda para a direita, na ordem como as conhecemos: dó ré mi fá sol lá si.

Imagem teclado com teclas pretas e brancas indicadas pelas suas respectivas notas.

As teclas pretas nos ajudam a encontrar a nota dó. Elas estão agrupadas sempre em grupos de 2 e depois 3 teclas pretas. Sempre à esquerda do grupo de duas teclas pretas está a nota dó (como na imagem acima). E esse conjunto de notas se repete ao longo de todo o instrumento. Além disso, elas correspondem aos sustenidos e bemóis, mas isso a gente pode mapear depois.

Posicionando as mãos

O próximo passo é posicionar as mãos corretamente. Como é um instrumento que é tocado com as duas mãos simultaneamente, não vai importar se somos canhotos ou destros: a posição de ambas as mãos deve ser a mesma. Cada um dos dedos repousa sobre uma nota apenas, e nenhum dedo deve ficar “para fora” do teclado. A partir daí podemos começar os primeiros exercícios e músicas.

Imagem de duas mãos sobre as teclas de um piano.

Importante: uma posição de mãos adequada é essencial para iniciarmos o estudo correto do instrumento e, também, impedir vícios e possíveis lesões que podem (e muito) comprometer o desempenho mais para a frente.

Um caminho para entender a música

Quando iniciamos os estudos em um novo instrumento musical, alguma forma de linguagem ou notação será necessária para aprendermos as primeiras músicas. No caso do teclado, duas opções são absolutamente importantes: partituras e cifras.

A partitura é a notação musical padrão, com ela é possível escrever precisamente a grande maioria das músicas e estilos musicais. Embora não seja nenhum “monstro de sete cabeças”, o seu estudo demanda um certo preparo e cuidado. Mas está bem longe de ser tão complicada quanto costumam dizer! No fundo, a partitura é uma ferramenta fundamental para estudarmos tanto a música clássica quanto arranjos mais sofisticados (de qualquer estilo), assim como para entender a teoria musical como um todo.

Já as cifras são uma maneira mais ágil de lidarmos com os acordes. Elas têm muita importância, pois são as principais ferramentas para começarmos os caminhos da música popular e também para tocar na igreja. No final das contas, o ideal é que ambas as ferramentas sejam dominadas. Mas quando iniciamos o estudo, podemos focar primeiro em um desses dois caminhos, deixando a outra opção para depois.

Começando a tocar

Enfim, é hora de começarmos a tocar! É comum no estudo do piano serem executados exercícios e músicas, assim como a aplicação de conceitos como harmonia (acordes) e escalas.

Exercícios servem para posicionarmos as mãos corretamente, criarmos condicionamento físico nas mãos e, também, ganhar agilidade e precisão no tocar. É uma excelente ideia o estudo de escalas e arpejos, ambos conceitos que nos ajudam a “mapear” as combinações de notas e acordes, ao mesmo tempo em que nos traz agilidade.

Aprender acordes (conjuntos de três ou mais notas) também é importante, sobretudo se temos como objetivo começar a tocar teclado numa banda ou na igreja.

Agora, mais importante do que todos os outros: Músicas! Sim, começando com músicas simples, de poucas notas e, ir aprendendo outras na sequência, aumentando, aos poucos, a complexidade, é, sem dúvidas, considerado o melhor caminho. Inclusive, nas próprias músicas trabalhamos todos esses conceitos mencionados acima, ao mesmo tempo!

Claro, um início sob orientação também é o mais recomendado, seja com um professor ou algum curso. Ter a ajuda de um profissional irá fazer do processo de aprender teclado menos complicado, mais rápido e divertido, além de prevenir erros, vícios e, como já mencionado também, possíveis lesões.

Por fim, veja o Curso de Teclado Iniciante 1: Primeiros Passos da MusicDot.