Mostrar Categorias

Como descobrir o campo harmônico de uma música?

Wilson Esteves
Wilson Esteves

Conforme vamos avançando nos nossos estudos musicais, é comum nos depararmos com o conceito de campo harmônico, que normalmente é abordado nos cursos de teoria musical, fazendo dele um assunto que pode assustar num primeiro momento. Na maior parte das vezes, porém, é possível perceber a necessidade de saber o campo harmônico de uma música de forma prática, pois é um conceito importantíssimo para improvisar, criar frases e até compor.

Notas musicais sendo escritas numa lousa.

Afinal, o que é o Campo Harmônico?

É o conjunto de acordes "naturalmente" disponíveis em uma tonalidade. Seria algo como responder "quais seriam os acordes normais de uma tonalidade?". Ou seja, se montarmos um acorde para cada nota de uma escala (sobrepondo terças), quais seriam formados?
Vamos a um exemplo:

Na escala de Dó Maior, temos todas as notas naturais, certo? Então, fazendo como explicamos acima, teremos:

Ou seja, o conjunto de acordes C, Dm, Em, F, G, Am e Bdim caracteriza o Campo Harmônico de Dó Maior, pois cada um deles foi montado utilizando unicamente notas da própria escala de Dó Maior.

Importante: cada tonalidade/escala possui as suas próprias alterações (sustenidos e bemóis), e é essencial que elas sejam consideradas na hora de se formar o Campo Harmônico.

Então como descobrir o Campo Harmônico de uma música?

Para isso, o principal passo é descobrir a tonalidade e, consequentemente, qual escala está sendo utilizada.

Se tivermos uma partitura, o processo fica mais fácil, uma vez que assim podemos observar a armadura de clave e rapidamente descobrir a tonalidade. Entretanto, se o que tivermos for apenas as cifras, podemos fazer o seguinte: separamos um trecho, e combinamos todas as notas dos acordes encontrados ali. Vamos a um exemplo, com a seguinte sequência de acordes:

Nessa sequência, temos os acordes D, A, Bm e G. Vamos abrir eles para conferir as notas de cada um deles:

Podemos concluir que temos as sete notas musicais distribuídas ao longo desses quatro acordes, sendo que o Fá e o Dó são sustenidos. Assim, concluímos que estamos dentro da tonalidade/escala de Ré Maior:

Logo, estamos utilizando o Campo Harmônico de Ré Maior:

Nem sempre é tão simples assim

Embora esse procedimento funcione em boa parte do repertório popular, cada música é um universo particular de combinações de notas e acordes, podendo conter elementos como modulações, transposições, e ainda outras alterações na harmonia que enriquecem a obra, mas que também tornam o processo de compreensão de sua estrutura mais complexo e variável.

Para estruturar os seus conhecimentos ou aprofundar o domínio sobre esse assunto, experimente dar uma olhada nos cursos de Teoria Musical da Musicdot.